Continue a aprender, continue a aprender

Durante a escola ou faculdade, você ficava sonhando com o dia do fim das aulas? Você acreditava que, após finalizar a graduação ou pós-graduação, iria encerrar seu ciclo de aprendizagem? 

Se a sua resposta foi “sim”, eu tenho uma notícia para você: suas horas no mercado de trabalho do marketing e da comunicação estão contadas.

Continuar aprendendo é algo imprescindível para quem quer se manter nesse mercado e, para respaldar esta afirmação, existe um conceito chamado lifelong learning.

A tradução do termo significa “aprendizagem contínua” ou “educação para toda vida” e propõe que devemos adquirir conhecimento e desenvolver habilidades não apenas durante uma faixa de tempo com começo, meio e fim.

Este é um novo jeito para ser competitivo e ter mais jogo de cintura na hora de enfrentar um problema que vai exigir muito, e não raramente irá cruzar o seu caminho.

Aliás, os impactos de uma educação continuada vão muito além da oferta sobre a demanda: quanto mais atento aos conteúdos que abrangem o seu mundo você estiver, mais preparado para improvisar e mais no controle das coisas você estará.

Um passeio pela história

A demanda por habilidades cognitivas deu um salto nas duas décadas anteriores a 2000.

Isso acontecia conforme a infraestrutura da era ti (computadores, servidores e cabos de fibra óptica) era construída.

Hoje, com a tecnologia amplamente implementada, a demanda diminuiu. Os economistas canadenses Paul Beaudry, David Green e Benjamin Sand falam sobre isto em artigo publicado em 2013.

No artigo, eles falam sobre a diminuição da ocupação de empregos altamente qualificados nos estados unidos. Com isso, os trabalhadores com formação superior passaram a assumir empregos que são cognitivamente menos exigentes, e os trabalhadores menos instruídos foram deslocados a funções corriqueiras.

Lá, 49% dos empregos com os salários mais altos são para funções que exigem habilidades de codificação. Ou seja, a composição de novos empregos também está mudando rapidamente.

Um exemplo é que, apenas nos últimos cinco anos, a demanda por analistas de dados cresceu 372%. E a demanda por habilidades de leitura de dados? bom, esta disparou em 2.574%.

Estas estatísticas demonstram que, quem pretende durar em uma carreira por vários anos, precisa de mais do que um diploma.

Em 2013, carl-benedikt frey e michael osborne, da universidade de oxford, calcularam que 47% dos empregos existentes nos estados unidos são suscetíveis à automação.

Mas isto não significa que as máquinas vão assumir o controle. Segundo James Bessen, economista da Universidade de Boston, a automação em profissões específicas vem crescendo desde 1980 mais rapidamente em funções que usam computadores do que naquelas que não.

Isso acontece porque a automação tende a modificar as tarefas dentro de uma função, mas não quer dizer que ela vai acabar com os empregos.

A automação parcial pode aumentar a demanda reduzindo custos: apesar da introdução do código de barras em supermercados e caixas eletrônicos nos bancos, por exemplo, o número de caixas e bancos aumentou.

No entanto, isso significa que, para manter-se no mercado, não tem outro jeito exceto você estudar permanentemente.

E quando se pensa em lifelong learning podemos traçar uma linha de raciocínio baseada nos 4 pilares:

Aprender a conhecer

Significa ativar seu senso crítico, tornando o processo de aprendizagem um imenso prazer, guiado pela curiosidade e sensação de estar evoluindo, o que de fato acontece.

É preciso reciclar seus conhecimentos, dando relevância, aprendendo a pensar sobre cada um deles, do campo da superficialidade para o status do conhecimento.

Aprender a fazer

Independente do seu campo de atuação, ou das suas responsabilidades, tudo muda muito rápido e o que é importante hoje, pode já não ser mais amanhã.

No entanto, algumas habilidades sempre serão levadas em conta, como a capacidade de lidar com conflitos, ter iniciativa, ser comunicativo, como você convive com os seus colegas e ser emocionalmente estável, entre outros.

Aprender a conviver

Este é um dos pilares mais importantes, porque se refere ao outro. além de desenvolver suas capacidades individuais, é preciso estabelecer um bom convívio.

E mesmo se você tiver um perfil mais introvertido, isso não faz de você um colega sem estas skills; a forma como você reage frente a situações difíceis e o quanto os seus colegas podem contar com você é o que vai para a conta no final.

Aprender a ser

Aprender constantemente e estimular as nossas potencialidades: isso faz seu dia a dia mais fácil. afinal, autoconhecimento traz mais confiança na tomada de decisões, proporcionando assertividade e discernimento.

Fazer da jornada do conhecimento um hábito é essencial para o desenvolvimento pessoal e profissional.

Com isso, você pode tornar-se uma pessoa que vai se encaixar com mais facilidade em diferentes grupos, terá grande poder de adaptação e vai ser muito difícil você ser pego de surpresa porque estará sempre um passo à frente.

A dica de hoje é: aproveite o conteúdo que há na internet. Você pode aperfeiçoar-se constantemente sem ter que desembolsar um real sequer.